Você está aqui > Home > Bons Relatos > A relação entre a alimentação e o sono do bebê

21

abr

2017

alimentacao-sono-bebe

A relação entre a alimentação e o sono do bebê

Olá, mamães!

No post de hoje, escolhi falar um pouquinho sobre a relação entre a alimentação e o sono do bebê, além dos hormônios que influenciam nesse processo.

A insuficiência do sono também atrapalha na alimentação das crianças, independente se for leite materno, fórmula, alimentos pastosos ou sólidos.

Existem diversos relatos de pais que acordam várias vezes durante a madrugada para alimentar o bebê. Com recém nascidos, isso é natural, claro. Porém, quando estão maiores e já começaram a introdução alimentar, não há necessidade nutricional de oferecer algo para comer nesse período do dia – e aqui estamos falando de um bebê saudável e dentro da curva de crescimento normal, importante ressaltar.

Mesmo quando pensamos em bebês recém nascidos com mais de 30/40 dias e que estejam dentro da curva estabelecida pelo pediatra, se ele não acordar durante a noite pedindo (chorando/resmungando) por leite, não é preciso acordá-lo para amamentar.

“Ai, Amanda, mas ele vai morrer de fome, como vou deixá-lo sem mamar?” Se ele não acorda no meio do sono, é porque, provavelmente, durante o dia você o alimentou muito bem.

Em todos os casos, recomendo muito procurar uma nutricionista materno-infantil e o próprio pediatra para auxiliar nesse processo. Tudo depende da saúde da criança, é claro. Como eu disse acima, a partir do 6º mês não é necessário, nutricionalmente falando, que a criança seja alimentada durante à noite. O que acontece é que, muitas vezes, esse leite acaba sendo um artifício para dormir, um aconchego, um costume.

Quando a mãe opta por começar o desmame noturno, é normal que ela associe esse momento entre ela e o bebê a um vínculo insubstituível e, portanto, sofra emocionalmente e tenha dificuldades no processo. É válido lembrar que esse vínculo não acontece só na amamentação e há outros momentos em que seu bebê vai precisar muito de você. Mãe sempre será mãe.

“Mas, Amanda, eu quero amamentar até os dois anos! Não posso tirá-lo do peito à noite!” Suspender esse aleitamento noturno não significa que você vai deixar de amamentar seu filho – ao longo do dia, você pode e deve continuar oferecendo o peito se for da sua vontade.

O que estou dizendo é que, como não há a necessidade desse reforço de madrugada em termos de nutrientes, o excesso alimentar pode trazer algumas consequências, como uma obesidade futura. De novo: existem outras formas de demonstrar amor e carinho.

Nós temos um hormônio secretado apenas no sono noturno chamado leptina, o qual tem por uma das funções proporcionar a sensação de saciedade. Uma noite mal dormida faz com que os níveis de leptina caiam e os de grelina aumentem. Grelina é o hormônio responsável pela fome.

Ou seja, insuficiência de sono = mais fome e menos saciedade, o que acaba por resultar em um desequilíbrio na parte alimentar.

Por isso, a importância de uma noite muito bem dormida e de alimentos na quantidade recomendada, prezando sempre pelo equilíbrio.

Qualquer dúvida ou sugestões sobre esse assunto, deixem aqui nos comentários ou me procurem nas redes sociais.

Bom feriado e até o próximo post!

Amanda Pascoal | Psicóloga – CRP: 06/93868

2 Comentários

  1. Kerly disse:

    Olá! Minha bb tem 8 meses e ainda acorda mto a noite p mamar…. eu posso dar mamadeira c água então ? P q ela n tenha diminuição de lépida?

  2. Kerly disse:

    Olá! Minha bb tem 8 meses e ainda acorda mto a noite p mamar…. eu posso dar mamadeira c água então ? P q ela n tenha diminuição de leptina?

Comentar

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>